Marcadores

Pesquisar na internet

sábado, 16 de junho de 2018

Alvo da 2ª fase da Panatenaico, BRT se deteriora sem manutenção do GDF

Vidros quebrados, lixo espalhado, desorganização e longas filas de espera são comuns. Obra teve superfaturamento de R$ 208 milhões


No centro da segunda fase da Operação Panatenaico, o BRT (ou Expresso DF) penaliza os cidadãos que dependem do meio de transporte. As queixas são diversas: longas filas, desorganização na hora do embarque e desembarque de passageiros, estações depredadas e outras em que as obras nem sequer foram finalizadas.
Metrópoles visitou alguns terminais e acompanhou de perto o drama dos usuários do sistema, que contou com um superfaturamento de R$ 208 milhões, segundo o Tribunal de Contas do DF (TCDF) e a Controladoria-Geral do DF (CGDF). O BRT atende as regiões de Santa Maria, Gama, Park Way e Plano Piloto, e transporta 245 mil pessoas diariamente.
Em Santa Maria e no Gama, a principal queixa é o número reduzido de funcionários para orientar e organizar o embarque. A auxiliar de limpeza Iraci Xavier, 55 anos, é moradora de Santa Maria e diz faltar educação dos usuários. “É muito empurra-empurra e isso incomoda demais. Além disso, na parte da noite, são poucos ônibus saindo para as quadras internas”, reclama.
Paulo Alexandre Farias, 43, é motorista-executivo e reforça o coro dos insatisfeitos, destacando também o lixo espalhado por terminais e estações. “Falta alguém para orientar e organizar a entrada. Já cheguei a ver várias pessoas caindo na hora de embarcar nos ônibus. Também vejo muita sujeira”, relata.
A estudante de psicologia Bárbara Fonteneles, 20, diz que nem a área exclusiva de embarque preferencial é respeitada. “É muito desorganizado. Nos ônibus, quem tem preferência nunca consegue sentar. Existe um ponto de embarque específico, mas as pessoas não ligam. Na hora de entrar, elas se empurram. Já vi uma mulher quebrar o pé por isso”, conta.
Para o estudante de engenharia civil Renato Oliveira Rocha, 26, a maior crítica é a dificuldade em reabastecer o cartão de vale-transporte. “Só consigo [reabastecer] nos terminais. Nas estações, não existe essa opção. Precisam mudar isso, pois o transtorno que gera é grande”, cobra.
Acessar matéria completa:
https://www.metropoles.com/distrito-federal/alvo-da-2a-fase-da-panatenaico-brt-se-deteriora-sem-manutencao-do-gdf

Nenhum comentário:

Postar um comentário