Marcadores

Pesquisar na internet

sábado, 9 de junho de 2018

De bebês a idosos, falta UTI no DF até para quem tem decisão judicial

Carência desse tipo de leito põe em risco pessoas de todas as idades. Mesmo amparadas pela Justiça, elas não conseguem vagas


Mesmo com amparo judicial, pacientes do Distrito Federal em crítico estado de saúde não conseguem vagas em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) da rede pública. A falta desse tipo de suporte afeta pessoas de todas as idades, de recém-nascidos a idosos, como no caso da aposentada Maria Cristina Nascimento, 62 anos.
A mulher sofreu parada cardíaca na segunda-feira (4/6) e, desde então, padece em leito de emergência incapaz de oferecer atendimento necessário, no Hospital Regional de Sobradinho (HRS). Ela tem histórico de doenças do coração, diabetes e insuficiência renal. E mais: depende de hemodiálise – filtração do sangue por meio de rim artificial – diária, o que não tem obtido desde a internação.
Tiago de Jesus acionou a justiça para conseguir leito de UTI para a mãe
“Nós nos sentimos péssimos, porque nem com decisão da Justiça a gente consegue UTI. Já nem sei direito o que fazer. Mas vou lutar até conseguir”, lamentou o zelador Tiago de Jesus Nascimento, filho de Maria Cristina. A família mora em Sobradinho. Ele teme pela vida da mãe, pois a mulher enfrenta diversos problemas de saúde.
Tiago contou que, antes da internação, a idosa já passou por angioplastia e cateterismo – ambos são procedimentos no coração. Além disso, ela tem apenas 10% da função renal. Por causa dessa condição, o quadro dela inspira ainda mais cuidados e aumenta a urgência por UTI.
Antes da parada cardíaca, segundo o homem, Maria Cristina passava por hemodiálise uma vez a cada dois dias. Porém, após a internação, a situação se agravou. “Agora, ela precisa desse procedimento diariamente. Mas só conseguiu duas vezes desde que foi internada. Nós percebemos que, quando ela faz, apresenta melhora significativa”, contou.
O zelador acrescentou que, na quinta (7), médicos tiraram sedação da mãe. Ela não teria reagido e o filho chegou “a pensar no pior”. “Mas, logo após a hemodiálise, ela abriu os olhos. Começou a responder”, disse.
A Secretaria de Saúde do DF (SES-DF) afirmou que Maria Cristina está inscrita na Central de Regulação de Leitos (Cerih). A busca por vagas, segundo nota da pasta, foi ampliada, na terça (5), para os hospitais privados contratados, mas, até o momento, não surgiram vagas. “A paciente ainda aguarda a liberação de leito com suporte hemodialítico”, acrescentou.
Alice
O limitado número de UTIs põe em risco também quem apenas começou a viver, como a recém-nascida Alice. Ela veio ao mundo no último dia 17, foi diagnosticada com Tetralogia de Fallot – tipo de cardiopatia – e, desde então, está internada em leito da UTI neonatal do Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib). Mas o estado dela se agrava a cada dia. O bebê está entubado e sob efeito de morfina.

Isso aumenta ainda mais a angústia da família, que já obteve duas decisões judiciais obrigando a SES-DF a providenciar a operação da menina e, posteriormente, conceder UTI no Instituto de Cardiologia do DF (ICDF).
Metrópoles falou com a avó da criança, Celma Ribeiro, 43. Ela demonstrou aflição, pois a saúde da neta tem dado sinais de piora por causa da demora em passar por cirurgia. “Ela teve febre alta na terça (5) e na quarta (6). Tiveram de usar antibiótico”, lamentou.
A condição da menina é considerada rara. Nela, o paciente apresenta quatro defeitos cardíacos observados logo após o nascimento. Por isso, Alice necessita passar por duas cirurgias: uma paliativa e outra de correção total. Apenas o ICDF tem estrutura e equipamentos necessários para a realização dos procedimentos.
A SES-DF alegou que Alice, assim como Maria Cristina, está inscrita na Cerih, mas, por enfrentar quadro infeccioso, não tem “condições clínicas adequadas para ser submetida à cirurgia”. Na terça (5), a pasta afirmou que todas as vagas da unidade estavam ocupadas e a menina dependia apenas de um leito disponível para passar pelo procedimento.

ACESSAR O POST COMPLETO:
https://www.metropoles.com/distrito-federal/saude-df/de-recem-nascidos-a-idosos-pacientes-nao-conseguem-uti-no-df

Nenhum comentário:

Postar um comentário